Inspiration. Essence. Substance. Different ideas. A journey living the art of surfing. Photography, poetry, soul. Dreams coming true. Our life is a vortex moving continually in time and space. We believe in destiny.

Inspiracao. Essencia. Substancia. Ideias diferentes. Uma jornada vivendo a arte de surfar. Fotografia, poesia, alma. Tornando sonhos realidade. Nossa vida e' um buraco de vacuo se movendo continuamente no espaco, no tempo. Nos acreditamos em destino.

Sunday, December 23, 2012

FELIZ NATAL!!

Feliz Natal a todos e muito obrigado pelas mais de 16.000 visitas ate' agora!!!
So' para curiosidade, ai vai alguns dos artigos postados no blog mais visitados: Incrivel, em primeiro lugar "Jay Adams", com 854 visitas. Em segundo, "Periodo Conturbado" com 499 visitas. Em terceiro "Christian Fletcher" com 424. Em quarto vem "Declaration of Independence: Dane Reynolds" com 296 visitas. E em quinto, "Interview: Rodrigo Viegas" com 217 visitas provando que o cara e' mesmo uma lenda viva.

Sunday, December 16, 2012

Nathan Fletcher

(by Joel Patterson)
I. Nathan Fletcher’s life was at a crossroads. It was the spring of 1998 and with no sponsors, less than $300 to his name, and his two-year marriage to a woman named Roxanne Hammer unraveling at home, the 23-year-old entered the Gotcha Pro Tahiti at an offshore reef pass called Teahupoo—a name most surfers couldn’t yet pronounce. He’d promised himself that if he could make an impact and win some heats, he would end the marriage and make a serious attempt at being a profession surfer. As if on cue, a monster swell collided with Teahupoo’s treacherously shallow reef during the final rounds of the event, giving the surf community its first up-close and uncomfortable look down the throat of the world’s most captivating and frightening wave. As the swell pulsed, and many seasoned competitors looked over the ledge and pulled back out of an innate sense of self-preservation, Fletcher put on a display of purely instinctive, balls-out charging that happens only a handful of times per generation. As the crowd whistled and screamed from the channel, Fletcher cleared his mind and followed his heart. In a span of three minutes during his Round of 32 heat, he earned two perfect 10s and the respect of a community who’d all but forgotten about him. The performance was a revelation. As a prodigious pre-teen, with a 2-to-20-foot surf-anything approach and a pedigree that linked to some of California’s early surf pioneers, Fletcher seemed destined to eclipse the accomplishments of his older brother Christian—the bad-boy forefather of modern aerial surfing. But by s16 he’d burned out, turning his attention to motocross, snowboarding, and skateboarding…anything but surfing. “I wasn’t bored with surfing, I was just sick of the pressure,” he remembers. “I was just ready to be not good at something, which is more fun.” Over the following four years—a formidable period in the arc of a professional surf career—Fletcher surfed less than a dozen times. But to everyone watching from the channel that day, it was obvious that the demons which had driven him away surfing were gone, at least for the moment. “He continued to elevate his surfing as it got bigger,” remembers Conan Hayes, who ultimately finished second in the event. “A lot of people hadn’t seen Nathan for a long time. It was a turning point for him, and he came through on what he’d set out to do. I’m sure that performance and the momentum it generated gave him a whole new perspective on what he could accomplish. That was the reemergence of Nathan back into the forefront of surfing.” “I knew my whole life had changed,” says Fletcher. “After that heat, I was a pro surfer.” Two weeks later, he returned from Tahiti. Roxanne was gone; only surfing remained. When asked if he’s getting rich from surfing, Nathan replies, “Yeah, just not in dollars.” He likened this massive Cloudbreak paddle-in session to winning a lifetime achievement award.
II. When Fletcher opens the door to his San Juan Capistrano home, I’m surprised by how big he is. I always am, no matter how often I see him. Somewhere in the back of my brain, he’ll never outgrow being Christian’s Fletcher’s blond, 4-foot-tall brother from’80s surf mags—the half-pint prodigy who first surfed adult-sized Pipeline and Waimea Bay the winter of his 12th year. But here in front of me is Nathan at 36—now 6 feet tall, with broad shoulders, muscular and lean, wearing a black T-shirt and pants that he’s crudely cut into shorts, eyelids at half mast, dark hair akimbo, miscellaneous tattoos, and a permanent facial expression that seems to say, very non-ironically, “Whatever.” He extends a carpenter-like hand and mumbles something that I interpret as an invitation inside. His abode isn’t what I imagined when he told me he lives in a mobile home down by the river. Situated on a multi-acre tract of land on the south side of San Juan Creek, Fletcher shares this 1,000-square-foot semi-permanent dwelling with Adela, his girlfriend of three years, and their two lap-size dogs, Mr. Buzz and Boopers. Nathan’s grandmother owns the land and the labyrinth of horse stables, corrals, and equine-related equipment, which is managed by his aunt, Joyce Hoffman—the 1965 and ’66 World Surfing Champion. The air smells of fresh hay and dry earth, and though the compound is flanked on all sides by never-ending Orange County sprawl, it feels like the old California that, for the most part, lies buried beneath countless tile-roofed communities with Spanish-sounding names. The homes of most professional surfers are filled with trophies commemorating career milestones—contests won, contracts signed, tubes threaded—but those kinds of mementos are conspicuously absent in Fletcher’s house. Maybe that’s because the rewards he’s looking for can’t just be stuck in a frame and nailed to the wall. Maybe he just needs a publicist. Whatever the reason, Fletcher has become so good at avoiding the limelight, it’s easiest to review his career highlights by making a list of some of the things he’s not synonymous with. Though he was at the forefront of the aerial generation, his name doesn’t usually come to mind when you think about section-clearing leaps of faith and mind-bending rotations. You can count the number of people to ever intentionally go left at Mavericks on one hand (Fletcher has done this both in freesurfs and competitive situations alike), yet you’d probably say 20 names before his if asked for the best surfers at California’s deadliest wave. He reintroduced the surf population to the quad (which until then had been banished to the realm of bygone, gimmicky designs), but when Kelly Slater wins another world title on a four-fin, it’s unlikely that Fletcher will be thanked. He’s played a pioneering role in the rediscovery of outer-reef paddle-surfing on the North Shore, but often others get the credit. He’s among an elite group of people who could have easily had professional careers as either surfers, skateboarders, snowboarders, or motocross riders, but when you think of multi-disciplinarians, you’re way more likely to offer Danny Way’s name than his. And in the lineup at Pipeline, where Fletcher has been a standout since he was a child, he takes a backseat in our collective memory to the swarm of one-note Pipeline specialists who make careers out of catching a single memorable wave per winter…if they’re lucky. As Boopers and Buzz run wild around the living room, Fletcher’s scrolls through photos from Cloudbreak on his laptop. Just a week prior, he, Bruce Irons, Kohl Cristenson, and a handful of others paddled into some of the biggest, cleanest waves ever recorded at Tavarua’s iconic left-hand reef pass. “Fiji was the culmination of a long road,” he says in a gravely voice. “The sun was out, I had the right board for the swell size, I was with like-minded people, the media was there to record it, and to get barreled like that and come out was emotionally overwhelming. It was like winning a lifetime achievement award. When you throw your morals out the window and put everything on the line and make it, it’s an incredible feeling.” Since Fletcher’s return to the surf spotlight more than a decade ago, that feeling has become his guiding light. His location at any given moment has been dictated by the swell patterns of the Pacific, traveling on a moment’s notice to Mavericks and the North Shore in the winter, Mexico and the South Pacific in the summer—the bigger the wave, the better. “Nathan’s an integral part of the evolution of big-wave surfing,” says Greg Long, who has emerged as the spokesman for a generation of chargers who have largely turned their backs on tow-in surfing and its reliance on technology. In fact, the genesis of the anti-tow movement can be tracked back to the morning of December 6, 2008, when Fletcher and Kohl Christenson showed up at Mavericks on a cold and foggy morning without any tow-in equipment on a day that was considered “too big to paddle.” The two considered packing up and going home, but Nathan remembers Kohl turning to him and saying with a smile, “I may never come to Mavericks again, we gotta go out there an at least get pounded on one.” As the tow-in circus swirled around them, the two battled current and dodged sets for hours, until, in close succession, each caught a bomb. Their groundbreaking session was largely ignored by the surf media, which was focused on the death of big-wave legend Peter Davi, who drowned that same day while surfing Ghost Tree, but the inner circle of the big-wave community was watching. The session became a call to return to big-wave surfing’s roots. “Nathan and Kohl’s foggy day session was definitely one of the pivotal moments in the paddle-in movement,” says Greg Long. “When I saw those photos, I thought, ‘If those guys are catching waves like that in those conditions, what else is possible?’” “We weren’t trying to bum anyone out or make a statement,” Fletcher says about the session. “We were just trying to surf.” But when it comes to defining moments, actions speak louder than words.
III. At about noon, Fletcher and I get in his windowless Ford Transit van, and drive 20 minutes to the offices of Hoffmann California Fabrics, where we find his grandfather, Walter Hoffmann at an oversized desk in a massive office that doubles as a showroom for the company’s product—printed fabric. There are so many layers of Hawaiian-print shirts and other aloha kitsch hanging on the walls, it’s impossible to tell what color the room is painted. While the business has the family-run feeling of a mom-and-pop shop (just about every employee says “Nathan!” as we tour the office), it’s played a crucial role in the building of the multi-billion-dollar surf industry, supplying Quiksilver, Billabong, and countless others with hundreds of millions of yards of fabric since Walter and his late brother Philip (“Flippy,” as most called him, passed away in 2010) took over the family business from their father in 1959. Big and barrel-chested with slicked-back silver hair and metal-framed glasses, at nearly 80, Hoffmann looks like he could take a man half his age in a fight. But he flashes a welcoming smile when his grandson enters the room, and the two fall straight into a friendly chat about the waves Fletcher got at Cloudbreak, a spot Hoffmann traveled to shortly after it’s discovery in the early 1980s and visited several times subsequently. “Great fishing,” he says with a wink. The Hoffmann brothers are crucial links in surfing’s evolution. As early as the mid-1940s they began to appear in surf lore, riding Malibu alongside legends like Matt Kivlin, Joe Quigg, Bob Simmons, and Buzzy Trent. In his teens, Walter traveled to Hawaii and surfed Diamond Head with the venerable George Downing—a session that would turn the family focus to Hawaii for generations to come—and, in subsequent trips to the islands, he and Flippy made pioneering forays to seldom-surfed breaks on the North Shore. There, they charged Sunset Beach, used a Boston Whaler to experiment with tow-in surfing at Kaena Point and outer reef breaks between Waimea Bay and Velzyland, and some have gone so far as to credit Flippy with being the original gruff voice of the North Shore’s surf community. “Flippy didn’t give most people the time of day, unless he was yelling at them,” Nathan says. “So to get him and Walter to respect me and talk to me makes me feel good about myself.” One of the ways Fletcher has accomplished this is by spending vast swaths of time in the lineups of the North Shore—especially on second-reef days at Pipeline, at a massive and hard-to-master reef called Log Cabins, and at a left-hand cloudbreak locals call Himalayas. The whole Fletcher clan has given memorable performances on the North Shore, from Herbie’s hot-dogging at Off The Wall to Christian’s night-time Pipe sessions. Hawaii, it seems, is in the family’s DNA. But despite trying hard to live up to the Fletcher-Hoffmann legacy, Nathan’s interactions with his own immediate family—whose contributions to surfing are too numerous to list here, but include the invention of the traction pad, the immeasurably influential Wave Warriors video series, the modernization of aerial surfing, the resurrection of longboarding, and enough inflammatory statements to fill a book—are less cut-and-dried. “By 8, Nathan was surfing Haleiwa in 15-foot faces,” Herbie remembers. “I made him wear a pink wetsuit and he had a fluorescent-pink-and-orange Lopez gun, so I could always see him out of the corner of my eye when we were out surfing. He always liked to ride bigger waves, because I guess he needed to prove himself to everyone. But he really enjoyed himself. When his older friends, like Dane Kealoha and Michael Ho, went out surfing, he’d just hang on to their leashes and get paddled out to V-Land or Pipeline. He was always one of the gang, but that was a lot to live up to because the gang was so heavy.” “It’s not about pressure, it’s about being judged,” his mother Dibi corrects me over the phone when I suggest that living up to the family’s expectations contributed to his quitting surfing for a while at 16. “He stopped surfing and raced motocross because he could put on a helmet. He liked the anonymity. He didn’t have to be Nathan, or Christian’s brother, or Herbie’s son, or Walter’s grandson, or anything else. And there was a frickin’ finish line, so you just went out and did the thing, and you weren’t judged. That was very liberating for him. Without a finish line, people don’t just judge you on your talent and skill, but personal stuff gets involved, too, and it colors how people feel. And that’s too bad. Both my kids like competing, but they don’t want to be judged.” Fletcher has employed a similar approach to solving family drama—holding it at arm’s length until his love for it blossoms again. In fact, this technique has been so effective that a feature in this September’s issue of T Magazine (The New York Times monthly style glossy) titled “Family Values: Catching a wave with a royal clan of surfer outlaws” spotlights the family—even drilling down to the brand of cigarettes Christian smokes—but fails to mention Nathan except in a short caption underneath a small family photo. When I bring the piece up with Fletcher, he just shrugs and says, “Right now I like the family most from a distance.” “What Nathan maybe doesn’t realize is that he’s surpassed the family name,” Herbie tells me. “Nathan is a f–kin’ hero.” “I’m amazed at how well Nathan was able to maneuver his way out of that vast array of family shadows,” says surf historian and author Matt Warshaw, who’s Encyclopedia of Surfing is rightfully littered with Hoffman and Fletcher references. “He took the best elements from his brother, his dad, his mom, his aunt, his grandfather, and his great uncle, and here he is now, the family’s latest and greatest; the head of his tribe.” Earning that distinction hasn’t been easy, but leadership never is. A broken femur in a freak pipeline accident sidelined him less than a month after his Foggy Morning Session with Christenson. Months later, he emerged from the recovery process less flexible but infinitely hungrier to squeeze every drop from what was left of his career. Though he’d never been the type to train, Fletcher did his physical therapy and became a regular at a local gym. “It was nice to have a break from surfing for a minute,” he says, “but pretty quickly I was ready to get stronger, both physically and mentally.” His commitment to a meaningful role in surfing was again tested in the fall of 2010, when Andy Irons’ tragic death hit Fletcher like a blow to the breadbasket. The Fletcher and Irons brothers had been friends since, as kids, the Kauaians would come to California to film for Herbie’s Astrodeck videos. Just weeks before Andy’s body was discovered in a Dallas hotel room, Nathan had run into the former three-time World Champ in Europe and convinced him to call his younger brother Bruce and smooth other a long-standing brotherly disagreement. “Nathan could explain my brother me to better than I ever could,” Bruce says. He later called Fletcher to thank him for facilitating the reconnection, and in the year since, the two have travelled extensively together, forging a bond both friends value immensely. “Nathan’s helped me get my stoke back after a long year,” Irons recently told me. “I trust Nathan. I believe him.” In his own way, Fletcher has become surfing’s emotional antihero. By design, the “Kill Me” tattoo on his shin sends a message to mainstream society to dismiss him as a misanthrope, but those with whom he’s become close praise him for his principled approach and his desire to make lasting human connections. Sadly, friendships forged between members of the big-wave community are fragile things. On March 16, 2011, toward the end of a marathon day of surfing 25-foot Mavericks, it was Fletcher who found his good friend Sion Milosky’s lifeless body floating face down in a nearby lagoon shortly after the 35-year-old went missing from the lineup. The two had traveled extensively together, since, during Fletcher’s long slog to recover from his broken femur, Sion became a regular visitor, keeping him positive and offering help with daily chores. They had forged the kind of partnership unique to big-wave surfers—a bond that is both professional and personal and can end in the blink of an eye. “Sion was such a great person and just so rad,” says Fletcher, who has been dealing with some effects of post-traumatic stress since that day. “I know it’s my responsibility to not trip on it but to grow from what happened. I know that’s how he would handle something like that, and I think it would be disrespectful to our relationship to take it any other way than to find the positive. But it’s really hard to not be able to pick up the phone and call him to talk shit.”
IV. On a wild and wooly Saturday morning this past August, Makua Rothman towed Fletcher into what some consider the heaviest wave ever ridden at Teahupoo. Even experts have a hard time assigning numeric sizes to Tahiti’s backless mutant, but most agree that the wave the 36-year-old caught could be called 15-feet-plus on the Hawaiian scale of measurement (about the equivalent of a five-storey apartment building, half of which was pure pitching lip). “When he let go of the rope, I thought, ‘Oh my god,’” says Luke Egan, who was positioned perfectly to see Fletcher’s ride from channel. “It was easily 30 feet on the face, and toward the end of his ride, the foam ball hit him and actually exploded him into the air. He nearly landed it, but his nose slowly pearled. It was one of the heaviest waves I’ve ever seen ridden. Maybe one of the gnarliest waves ridden in the history of the sport.” Just a few days prior, Fletcher had been standing over my shoulder at the SURFER offices. He’d come to do a follow-up interview I’d requested, and I showed him an email Sean Collins had just sent me hypothesizing that the swell headed to Teahupoo could be one of the biggest and cleanest in years. When I asked Fletcher what his plans were, his reply surprised me. “What swell?” he asked. I showed him the part of Collins’ email that said the forecasting models were “kinda freaking out on this swell,” and as soon as Fletcher read that line, old habits kicked in. After our interview, he drove home, booked a ticket to Tahiti, packed two tow boards, and, despite being admittedly unprepared for what he was stepping into, boarded a plane to Tahiti. Wracked with guilt that I may have encouraged him to do something that could result in his peril, I called him that night to ask him to reconsider, but my call went straight to his voicemail, which of course, he has yet to set up. He later assured me that he would have gone regardless, and that not paying close attention to the chatter is part of his process of eliminating pressure. “If you don’t know,” he theorized, “you don’t worry about it.” “We are the worst travel partners there ever were—unprepared, unorganized, and dragging it out,” Bruce Irons laughs when I ask him about Nathan’s lack of preparation. “But somehow we get there and shit happens. It all just works out. When Nathan showed up out of the blue in Tahiti with two tow boards, I thought, ‘Oh f–k, this is gonna be a big swell. Because it’s almost impossible to get both of us to any destination.” The morning of the swell, Fletcher awoke panicked. Dawn had already broken, and he felt behind schedule. His ride out to the lineup was running late. The air at Teahupoo was so think with moisture and anticipation, you could cut it with a knife, so to kill some time and take his mind off things, Fletcher got in his rental car and drove around in search of a quiet spot to sit and watch the Teahupoo lineup a quarter-mile out to sea. He ran across Kelly Slater parked on the side of the road. Slater, too, was trying to assess what was going down. Fletcher pulled over and the two chatted for a while. “I think someone’s going to ride the biggest wave ever at Teahupoo today,” Kelly hypothesized. “F–k, that’s gnarly,” Fletcher thought to himself. “I wonder who it will be?”

Sunday, November 25, 2012

interVIEW: Evandro Cabecinha

Evandro Faria, mais conhecido, ou somente conhecido como Cabecinha, um viciado em surf, criador de apelidos, adora uma boa risada, ama uma cerveja gelada, e alem de ser um dos meus melhores amigos, e' um grande motivador, principalmente quando o mar sobe. Uma vez Rodrigo Viegas falou pra mim: "Cabecinha e' o cara mais big rider da rassa!!" E teve outra vez que o mar estava grande na Joaca, uns dois metros, ele passou pra me pegar com a Parati marrom, que tinha um adesivo do Bob Marley no vidro da frente, e eu nunca esqueco quando ele me falou: "Nos temos obrigacao de surfar qualquer mar na Joaca, porque comparado com o Hawaii isso aqui e' o inside!!" Conheci o Cabecinha quando ainda muito crianca, os nossos pais jogavam futebol juntos no Colegio Catarinense e depois tomavam cerveja na casa do Desembargador Borba Neto. Ainda na adolescencia nos tornamos grandes amigos por frequentar a praia da Joaquina todos os dias. Ele e o Rodrigo Viegas eram parceiros inseparaveis, e uma grande fonte de inspiracao pra mim, e pra todos os outros que frequentavam a praia. Todo o santo dia, e principalmente quando o mar estava grande, la' estavam os dois, pegando ondas enormes atras do Costao. Eles viajaram juntos pra Australia e Indonesia no comeco dos anos 90, e quando voltaram mudaram completamente a historia da praia. Muito surf e muito estilo. Agora, 20 anos depois, eu fiz essa entrevista com um dos maiores nomes da Joaca.
1-Voce ainda surfa? Sim, continuo surfando. A busca pelo surf diário, com filhos, família e trabalho, vem ficando cada vez mais difícil... risos... mais sou Brasileiro não desisto nunca. 2-O que te inspira na vida atualmente? Com certeza a minha família, que me acompanha nas minhas loucuras, de morar aqui, ali. E meu Pai já falecido, é, e sempre será minha maior inspiração e meu maior exemplo. 3-Quais os surfistas que te inspiram a continuar surfando? Os que regulam a minha idade, e continuam fissurados e surfando , tipo: Kelly, Taylor no WT . Aqui da ilha tem uma geração antes da minha, que tão na ativa ainda como: Limonada (Roberto Lima), Zeno (Brito), meu cunhado Magoo, e outros que continuam na fissura por elas. 4-Quais os seus surfistas favoritos quando vc era crianca? Eu sempre admirei muito os surfistas que surfavam bem ondas grandes, e na minha época, eram poucos surfistas que se sentiam a vontade em 6, 8, 10 pés de onda aqui na ilha ( hoje em dia muita gente surfa esse tipo de onda). O Thomas, irmão do Magnun Dias era o que eu mais me amarrava de ver surfando nesse tipo de condição. Era um cara grande, com estilo bonito e totalmente destemido. Surfava como Hawaiano, com uma linha fudida, sempre buscando os barrel. Foi o primeiro a surfar com frequência os tubos nas pirâmides da Joaca. Ah! Um detalhe importante, ele sempre tomava umas 8 geladas no Maurílio e depois caía. Algumas vezes eu e o Rodrigo Viegas, caiamos na água, ainda guri pequeno, com o cú na mão, e ele doidão dava risada, botando pra dentro em qualquer coisa. E a raça só espiando. E tinha uma galera daqui que mandava bem nessas condições também: Gama, Davizinho, Lulu, Franguinho... Do circuito mundial nessa época, eu gostava muito do Potter, Occy, Curren, Carroll, Sunny. 5-Comida favorita? Se mexeu eu to comendo... (risos). Eu sou bom de garfo, adoro tudo! 6-O que vc mais odeia? Maldade e desonestidade!! 7-Qual sua viagem favorita? Sou obrigado a citar três que me marcaram muito: Hawaii, Indonésia e Austrália. 8-Melhor tubo da vida? Por incrível que pareça, foram na Joaca. Um lá no meio, e outro esse ano em setembro, nas esquerdas lá atrás. Mas outros melhores estão por vir, se Deus quiser e me der saúde pra isso. 9-Que tipo de musica vc esta ouvindo atualmente? Não sendo sertanejo, nem gospel, o que é bom eu ouço. Com família o cara vai perdendo um pouco da identidade musical, mas eu adoro quando alguém me apresenta um som novo. 10-Vc gosta de fotografia? Sim adoro! Inclusive pretendo fazer um curso, quando puder. 11-Qual o seu lugar favorito? Pra morar, atualmente Austrália ou Hawaii. 12-Qual a sua onda favorita? Joaca e Sunset!!! Mas falta conhecer muita coisa ainda. 13-Qual o seu livro favorito? “Muitos mestres, muitas vidas”, Bryan Weiss. 14-Quais os seus filmes favoritos? "Trilogy" com o Parko, Andy e Taj. Que o Andy da aula de tubo em Desert (Indonesia) e no México. De hollywood, gostei do “Avatar”. 15-Qual a prancha que vc esta usando atualmente? To surfando com a Hennek. 16-Quais os seus planos para o futuro? Tenho um sonho de morar na Austrália novamente, por um ou dois anos. Para que minha filha menor aprenda falar inglês. E para o Papai dela, ficar mais perto da Indonésia...

Thursday, November 15, 2012

interVIEWS

OutraCultura esta' trazendo pra voces, fans, uma serie de entrevistas com legendarios surfistas da Praia da Joaquina. Como voce ja' teve oportunidade de acompanhar aqui a algum tempo atras uma entrevista muito interessante com um dos maiores idolos da Joaca, o mito Rodrigo Viegas e mais recentemente com o desaparecido Alexandre Morelli. Agora, estamos tentando trazer outras lendas como Eavndro Cabecinha, Marquinho Goncalves, Guruba, Neco Padaratz, Fabricio Machado, Tiago Bianchini e ate' mesmo o mistico Break. Fique ligado porque muitas opinioes serao formadas, muitas historias reveladas, muitas ideias bizarras e muita polemica. Inspiracao e' o que nao vai faltar.

Saturday, November 3, 2012

interVIEWS: Alexandre Morelli

Prodigo mistico artista da Praia da Joaquina. Profeta underground do surf vivendo a filosofia da liberdade numa apocalipse carceraria. Mais clandestino do que um cachorro vira-lata. Ate' mesmo um terrorista tem mais direitos civis. Sem nenhum tipo de documentacao, sem conta em banco, sem credito financeiro, ele ainda assim consegue o milagre de ter um apartamento fantasma, e dois empregos relativamente bem remunerados, honestos e com horario de trabalho tranquilo e maleavel possibilitando surf diario se a natureza permitir. Ele nao fica sentado no sofa assistindo televisao esperando ser infestado pelo materialismo urbano moderno. Ele cai e se levanta, vive ou morre atraves das suas proprias decisoes. Prefere ser devorado por tubaroes brancos no Oceano Pacifico do que ficar sentado atras de uma mesa olhando atraves de um computador sua conta bancaria aumentar. "Esses malucos que acreditam na existencia a cima da consciencia, ou uma vida ilusoria sem essencia. Ambicao com valores hipocritas que nao leva seu corpo e alma a lugar nenhum, mas sim uma falsa realidade mental de um carro novo ou uma casa nova que voce nem precisa para ser feliz. Mediocridade e destruicao cultural, sem capacidade de perceber sua propria importancia na sociedade, vulneravel a tudo e constante falta de coragem moral. Onde foi que ficou o espirito humano?" (entrevistado por Napa Merlot)
Voce ainda surfa com frequencia? Quase todos os dias. Sempre que tem onda. Qual a sua cor favorita? Transparente. Serio, uma cor? Preto e branco sao consideradas cores? Acho que sim. Entao, pele bronzeada (risos). Quais os artistas que te inspiram? Tudo me inspira. Mas, Peter Beard, Jason Jessee, Shepard Fayre e Nathan Fletcher sao os individuos que tem me inspirado muito ultimamente. Quais os surfistas que te inspiram? No momento, Chris Ward. Eu tenho assistido uma serie de videos no site da ...Lost, entitulado "War(d) Stories", que realmente me da vontade de surfar, e ate' mesmo surfar ondas maiores do que eu venho surfando, porque eu tenho estado meio preguicoso em relacao a ondas grandes. E tambem eu assisti uns videos recentes do Bobby Martinez que ele destroi as ondas, dando rasgadas de frontside bem rapidas no pocket da onda e cutbacks usando a borda com muito power, como eu sou goofy-footer e nao sei dar aereos, me inspirou bastante. Quais os surfistas favoritos quando voce era crianca? Dada Figueiredo, Matt Archbold, Nicky Wood, Rodrigo Viegas. Comida favorita? No momento, Carne assada fries do Santana's. Tive que ordenar minhas pranchas um pouco mais grossa por causa desse meu vicio. O que voce mais odeia? Crowd. O que te desanima a surfar? Crowd, e ver o que Dane Reynolds e Gabriel Medina fazem nas ondas. Voce fuma? Nao. Parei. Nao porque eu quis, aconteceu naturalmente. Voce gosta de beber? Muito. Adoro um vinho, na maioria das vezes branco, Charddonay. As vezes tinto, Cabernet Savignon, mas o meu favorito e' um Pinot Noir, Robert Stemler, muito bom. Adoro cerveja tambem. Ultimamente eu tenho tomado principalmente Hefweizein ou IPA. O que e' Hefweizein e o que e' IPA? Sao tipos de cervejas. O jeito que voce fabrica. Existem inumeras maneiras de fazer cerveja. Pilsen, Amber Ale, Lager, Pale Ale... IPA significa Indian Pale Ale, e' um tipo de fabricacao de cerveja que leva bastante fermentacao gerando um gosto bem forte, bem encorpada e bastante volume alcoolico. Ela tem uma cor mais amarronzada e nao necessita ser tomada extremamente gelada. Os indianos criaram esse tipo de cerveja, porque muito antigamente, quando eles transportavam as cervejas nas costas dos camelos para a Europa, a cerveja estragava por causa do calor, dai eles se deram conta de que se eles fabricassem desse jeito ele durava mais. Hafweizein ja' e' um tipo de cerveja mais refrescante pra se tomar no verao, mas nao deixa de ter um sabor encorpado. Contem bastante fermentacao de trigo e se voce espremer um pouco de laranja dentro fica alucinante. Qual o tenis que voce gosta de usar? Classico. Os classicos da Vans e da Converse. E roupas? Qual o seu estilo? Nao tenho um estilo definido. Gosto de coisas simples. Calca Levis e camiseta OutraCultura. Voce tem namoranda? Sim. Namoro uma menina alucinante chamada Emily Sanford, ela e' de Newport Beach e e' veterinaria. Ela tem uma egua que se chama Paulina que e' cheia de personalidade, maior figura! As duas ja' foram grandes campeas de hipismo. Voce tem feito arte? Sim, constantemente. Nao vivo sem arte. Estou pintando varias camisetas, desenhando constantemente, passo madrugadas trabalhando nas minhas artes. Tenho trabalhado pouco nos meus livros ultimamente, porque estava trabalhando num projeto de um filme de surf. Que filme de surf e' esse? Uma longa historia. Acabei de finalizar este projeto. Uma namorada que eu tinha a muitos anos atras achou uma caixa de fitas VHS na sua casa. Eu levava a filmadora pra praia e filmava um pouco entre uma sessao de surf e outra. O nome dela e' Janaina, ela e' irma do Jefferson Veloso, atual Presidente da ASJ (Associassao de Surf da Joaquina). Ela me contactou atraves do Facebook e me enviou as fitas pra California onde eu vivo atualmente, dai entao eu passei as fitas pra CD, e depois transferi pro computador e editei. Com a ajuda do meu primo Daniel Adami que estava vivendo comigo, consegui realizar esse sonho, de fazer um filme de surf. O filme foi entitulado "Amnesia", justamente porque estas fitas estavam perdidas e esquecidas por mais de 15 anos. Quem aparece nesse filme? A galera que surfava na Joaca nos anos 90. Principalmente Neco Padaratz que era, e ainda e' um dos meus melhores amigos, mas tambem muitos outros como Rodrigo Viegas, Fabricio Machado, Cabecinha, Break, Rafael Ramos, Guilherme Ribeiro, Guga Arruda, meu irmao Guto, Fabio Gouveia, Marco Polo, Flavio Padaratz... entre alguns gringos como Brad Gerlach, Richie Collins, Bruce Irons... Que tipo de música voce tem ouvido no momento? Tenho ouvido muito dark gotico dos anos 80 como Stiff Kittens, The Wake, Sister of Mercy, Bauhaus, Joy Division entre outras mais underground, e tambem T.S.O.L., Agent Orange, Descendents, Social Distortion, Motorhead e Ministry. Gosto tambem do DubFX. Mas no momento, meu favorito de ver ao vivo e' o DJ Pretty Lights. Voce tem fotografado bastante ultimamente? Muito pouco. Minha namorada tem usado minha camera mais do que eu ultimamente. Quais os livros que te interessam? No momento estou lendo Shantaram, uma historia muito interessante e muito bem escrito mas dificil de ler em ingles. E' a historia de um australiano que conseguiu fugir da cadeia e foi se esconder na India. Vou levar muito tempo pra terminar, tem quase 900 paginas. Mas gostei tambem do livro sobre a historia do Miki Dora, e gosto muito de livros estilo scrapbook como o do Peter Beard, que eu ganhei de presente da minha namorada. E filmes, quais te agradam? Estou interessado em ver "Stoked" sobre a vida do skatista Gator que pegou prisao perpetua e "Pray For Me" sobre a vida de Jason Jessee. Tambem quero ver um filme que nao lembro o titulo sobre a vida do artista Shepard Fayre. Filme de surf novo, gostei do "chromatic" por causa da parte do Nathan Fletcher, mas na real nao sou nem um pouco fan do surf do Chippa Wilson que tambem aparece bastante nesse video. Tambem nao consigo ver nada de especial nos filmes do Kai Neville, a nao ser as performances do Dane Reynolds e do JJ Florence, o que eles fazem nas ondas e' bizarro. Qual a sua parte favorita em filmes de surf? Sao varias partes de filmes que marcaram muito, mas se for pra escolher uma, eu diria que e' a parte do Matt Archbold no WaveWarriorsIII. Mas tambem posso citar Occy na Franca e Ilhas Reuniao no Pump, a parte do Tom Curren em Jeffrey's Bay no The Search, a parte do Greg Browning no Focus, a parte do Rob Machado no GoodTimes, Shane Powell no Momentum, Nicky Wood no Sarge's Take 4... Qual a prancha que voce ta usando no dia a dia? Tenho usado uma 6'1" squash shapeada pelo meu amigo Adam Warden, mas acabei de ordenar uma com um shaper de San Clemente, 5'10" - 19 - 2 5/16 com uma rabeta squash bem larga. O nome dele e' Morey Gyenes, ele shapeava pro T.Patterson, agora tem sua propria fabrica e tem feito pranchas pro Brett Simpson, Brett Etinger, Kalani David, Jason Harris, Jason Miller (irmao da Kalani Miller), entre outros. Tambem ordenei outra com o Adam Warden (ajwsurfboards.com), ele tem um modelo de prancha, The Screamer, pedi pra ele fazer 6'0" - 18 3/4 - 2 5/16. Com quem voce tem surfado? Sozinho. Surf e' minha religiao. Minha forma de meditacao. Eu odeio crowd, entao eu procuro um canto que tem pouca gente surfando, ou ninguem de preferencia, e fico na minha, dando meus cutbacks e matando minhas baratas. Voce ainda pretende ficar muito tempo longe de Floripa? No momento nao me vejo morando em Floripa, mas pretendo voltar pra visitar minha familia e meus amigos, passar as ferias. Qual seus planos para o furturo? Acordar, checar o vento e ir surfar.

Monday, October 29, 2012

Pray For Me - The Jason Jessee Film Trailer

Muito inspirativo... Jason Jessee

Saturday, October 20, 2012

( a m n e s i a ) : the movie

OutraCultura tem o prazer de apresentar o seu primeiro filme de surf, produzido por Alexandre Morelli, e estrelado por um dos maiores idolos do surf brasileiro Neco Padaratz, "Amnesia". Com quase cinquenta minutos de pura acao, este video mostra uma epoca que ficou perdida no tempo. Praticamente todo filmado na Praia da Joaquina por mim e meu irmao Guto entre os anos de 1995 a 1997, estas fitas estavam perdidas e esquecidas, ate' que uma ex-namorada de muitos anos atras, encontrou uma caixa com 20 pequenas fitas VHS em sua casa, e enviou para mim na California. Estas fitas foram passadas para CDs e depois para o computador. Meu primo Daniel Adami conseguiu converter os arquivos para serem compativeis com o programa FinalCut. Depois de muito trabalho e garrafas de vinho, consegui editar as imagens e colocar juntas as partes que formam um pedacinho da nossa historia, da nossa vida. Alem de Neco Padaratz destruindo as ondas da Joaca, tambem aparecem surfando, Rodrigo Viegas, Fabricio Machado, Break, Rafael Ramos, Guto Morelli, Guga Arruda, Cabecinha, Guruba, Fabio Gouveia, Marco Polo, Teco Padaratz, Gui Ribeiro, Andreas Eduardo, Everaldo Pato, Gui Ferreira, Clayton de Valgas, Julio "Xuxa" Schneider, Christian Salmoria, Cristiano Buiu, Peterson Rosa, Richie Collins, Brad Gerlach, Bruce Irons, CJ Hobgood e ainda nosso querido eterno Andre"Negao"(in memorian). A trilha sonora e' quase toda de bandas que ouviamos nos anos 90 incluindo Suicidal Tendencies, Social Distortion, Joy Division, T.S.O.L. entre outras. Tambem tem cenas da rassa na praia, Joao Vieira, Paulinho Caserao, Marquinho Goncalves, Betinho Salame, Veiga, Zosni, Minao, Bambam, Roberto Lima, Beto Cintra, Verninho, Leonardo Zeta, Bandalha e muitos outros. Esse filme vale ouro, principalmente porque foi filmado numa epoca em que ninguem documentava nada. Para adquirir uma copia desse filme, mande um email para: alexandremorelli@hotmail.com O preco e' de $29.99 dolares ou R$ 60,00 reais. Tem coisas na vida que nao tem preco.
Capa do DVD (click para ampliar)

Friday, September 28, 2012

social distortion winners and losers

Gotta love this lyrics... Social D and a beer to start my friday night!!

Monday, September 24, 2012

cosmonauts - dreamboat

Essa banda e' nova, mas me lembra muito Bauhaus...

Wave Warriors IV Grommets : Brian Pacheco, Kalani Robb, Shane Robinson ...

Repare Nathan Fletcher ja' quebrando quando ainda muito novinho...

Thursday, September 13, 2012

Waves

Waves
My brother Guto Morelli at our home break Joaquina beach. (Click on "Waves" above the photo to check the article.

Wednesday, September 12, 2012

Tuesday, September 11, 2012

Thursday, August 30, 2012

The smoothest surfer ever: Fabricio Machado

A magica de Fabricio Machado de fazer surf parecer facil. De fazer mares assustadores parecer um sonho. De fazer a linha da onda parecer o voo de uma borboleta. Do comeco ao fim da onda, "Jessica" surfa com uma elegancia de dar inveja a Tom Curren. Nos surfamos juntos durante anos, e eu nunca vi ele "matar barata" (bater o fundo da prancha na onda para conectar sessoes mortas). Ele comecou a frequentar a Praia da Joaquina no inicio dos anos 90 sob a tutelagem do seu primo mais velho e eterno "Rei da Praia" Rodrigo Viegas. Logo eu pude notar a coneccao dele com o esporte, principalmente nos dias grandes, e nao demorou muito para nos tornarmos parceiros, nao so' no surf do dia-a-dia, mas tambem nas noitadas de Floripa. Lembro bem de nos surfando sozinhos alguns mares na Joaca, ele sempre botava pilha pra cair, nao interessava as condicoes, poderia estar grande e feio, ou quase flat. Lembro tambem uma vez que eu estava namorando uma modelo, e ela me deu dois convites VIP's para um desfile de moda no qual ela ia desfilar. Eu liguei para ele e falei que tinha uma festa pra nos ir com tudo de graca, ele passou pra me pegar com seu Escort velhinho... era muito engracado ver o "magro humilde" tomando champagne caro na VIP area junto com os donos da marca e outras modelos, quase se escondendo, tentando passar despercebido. O "Jessica" sempre foi assim, muito envergonhado, discreto em terra firme, mas uma "estrela brilhando" atras do costao da Joaquina.

Monday, July 16, 2012

OutraCultura t-shirts

OutraCultura t-shirts are painted by hand, and they are exclusive. Thanks.

Thursday, July 12, 2012

Santo Dia

(click nas fotos para ampliar/click on the photo to see it bigger - photos by morelli/ surfer: neco padaratz/ location: windansea)
Me levou um bom tempo, e quase meio mundo pra eu aprender o que e' amor, o que e' fe', e as escolhas que fazemos na vida. Mas tudo passou a fazer sentido no instante da morte da minha mae (em 1992). O que parecia ser o fim, se tornou o começo. O que parecia o caos, de repente ficou tudo muito claro. Ate' mesmo antes de tomar a maior onda na cabeca de toda a minha "carreira de free-surfer", totalmente sem ter o que fazer, sem ter pra onde correr, eu tinha as respostas imediatas para os "porques" da vida. Eu descobri que nossa alma e' livre no Universo, e que nao podemos mudar absolutamente nada na trajetoria de nosso destino. Eu sou um revolucionario sem uma arma, um filosofo sem o poder da palavra, um poeta sem rimas. Eu fui pra guerra da vida. Ja' vivi o lixo e o luxo. Sobrevivi. Diante do amor, diante do odio, ou da indiferenca das pessoas. Minha historia basicamente se desenrola em torno de um esporte chamado surf, arte, mulheres, e um pouco de sorte. Eu sinto um cheiro de um suor perfumado no ar. Cheiro de esperanca, cheiro de egoismo. Sinto cheiro de Deus, e do demonio.

Tuesday, June 19, 2012

Electric Surf

(click on the photo to see it bigger)
Ela nos guia e nos seguimos. Ela bate uma unica palma (ou seja, faz beicinho) e a magica acontece. Utopia do futuro. Miragens de raio-lazer. Sul da antiga-moderna California, oasis entre o Oceano Pacifico e o deserto. Corona gelada, comida-mexicana, variedade de surf, musica ao vivo, DJ's e loucura. Para a maioria dos turistas brasileiros a California e' um "shopping center" gigante. Enquanto muitos passam seus dias nos "Outlets", comprando, nos passamos o dia dentro da agua, surfando. E enquanto muitos estao dormindo, nos estamos dancando no "E.D.C." (Electric Dayse Carnival, em Las Vegas). Ela tem um lindo cabelo loiro, biquini brasileiro, Ray-Ban classico, muito estilo. Super sexy. Quase uma anomalia. Acho que encontrei Shangri-la. "Ela tem bunda de brasileira!!" como diz meus amigos... Eu e ela relaxados, nadando despretensiosamente na piscina. Sol e paz. E uma Corona com limao. Apesar da ressaca, por causa dos shots de "Jager" na noite anterior, eu levo Neco Padaratz para Windansea com a certeza de que e' o lugar onde as ondas estao melhores. Desculpa, mas eu estava certo novamente. (Neco esta passando uns dias na California,com a esposa Ana e o filho Zion) Ele entra no mar num lugar cheio de pedras, cheio de correnteza. Ele gosta de aventura, ou entao ele gosta de furar o espelho da prancha. Ele se posiciona no outside nas direitas de Simm's, ou Simmon's, pico nominado em homenagem a Bob Simmon's, um dos maiores revolucionarios da historia do surf, especialmente em design de pranchas nos anos 50. Ele surfava esse pico sozinho constantemente. Muitos acreditam que as pranchas de alta-performance que todos usam hoje em dia nao vieram dos longboards, e sim das pequenas bi-quilhas feitas por Bob Simmons muitos anos antes da "short board revolution" (epoca em que todos comecaram a surfar com pranchas menores). Neco esta sentado la' fora, com apenas mais um individuo. Eu aponto minha Canon 300mm, ajusto o foco... Ele rema para uma onda, a onda quebra numa bancada rasa de pedras, mas Padaratz ignora o problema e manda um aereo que... eu, primeiramente duvidei que ele tentaria aquele aereo, e segundo... eu jamais imaginei que ele voltaria, porque, foi muito alto (sem a mao na borda)... Provavelmente o aereo mais alto que o Neco ja' completou na vida. Eu vibrei quando vi ele aterrizando diretamente na base da onda, pronto para outro bottom-turn. Impressionante. Ele aparece (depois de anos surfando somente com pranchas do Havenga) com uma Henneck, 5'10", que parece estar funcionando muito bem. Solto e moderno. Renovado. Ele sai da agua com as maos nas costas, reclamando de dores. Tambem nao e' pra menos, um aereo daquele doeu ate' as minhas costas. A loira, por sua vez, dirige o Mercedes preto cruzando a cidade. Num lugar entre fato e ficcao, eu pisquei meus olhos varias vezes pra ter certeza. Ela esta' tomando um cafe' do Starbucks... O futuro e' um lugar estranho. Nem sempre faz sentido.

Monday, May 14, 2012

Magic Red Wine

Um mundano. Simplesmente ama seus amigos. Cada um da sua maneira, do seu proprio jeito de transformar o mundo e poder viver do jeito que eles querem viver. Viajando num universo aberto. Descobrindo novas culturas. Perseguindo mulheres atraves continentes. Surfando ondas durante a perseguicao. Ou, perseguindo ondas e surfando mulheres. Observando tudo, toda a inspiracao e a arte. Capitando os sentimentos. Bons tempos... "Patrao, to pedindo as contas... to indo morar na Nova Zelandia...!! Peguei o Fundo de Granatia e fui!!" Ecuador, Peru, Nova Zelandia, Australia, Indonesia, Hawaii, California... Ainda nao voltei pra casa. Nascido em Floripa, criado na Praia da Joaquina... Tantos lugares para ir ainda... Pessoas quais suas personalidades sangram dentro desse ambiente de aventura. Eles surfam por prazer. E com estilo. Nos damos valor pelo que temos.
Emily Sanford at Windansea

Tuesday, May 1, 2012

And Ain't No Mic - Golden Hills

Essa JamSession rolou em Golden Hills, San Diego. Na garagem do Casey, um borther que trabalha comigo. Na batera, sangue-refinado Guga Starke (de Baln. Camboriu,) e no baixo, o irmao do Casey. Sem ensaio, sem planos. Sem microfone. Free-style na veia! Filmado pelo meu primo Daniel Adami.

Thursday, April 5, 2012

La Jolla (click on the photo to see it bigger)






O Oceano Pacifico massageia a costa, trazendo areia e escondendo as pedras. Alta qualidade de vida. Pequenas mansoes estlio Nouveau-toscano e as ruas entupidas de Mercedes, Lamborguinis e Mazzerattis. Consumo constante. Porem a praia continua a mesma. A barraquinha de palha em Windansea, ainda esta la'. A agua do mar ainda e' azul turquesa, a barreira de algas continua dourada e a areia branca da praia ainda e' macia.
La Jolla e' um lugar onde qualquer surfista vive feliz. E, alem de toda a extravagancia e luxo, e' uma coneccao direta com uma era onde o surfista era visto como vagabundo, marginal.

Sunday, April 1, 2012

Calentinian





Amar

Fechei os olhos para não te ver
e a minha boca para não dizer...
E dos meus olhos fechados desceram lágrimas que não enxuguei,
e da minha boca fechada nasceram sussurros
e palavras mudas que te dediquei...

O amor é quando a gente mora um no outro.
Mário Quintana

Thursday, March 29, 2012

NossaCultura

Eu tenho varias pranchas de surf na minha casa. Sendo que uma delas, 7'3" mono-quilha "NECTAR original" dos anos 70, vermelha cor de sangue. Eu achei essa prancha abandonada na garagem de uma casa que eu morei na California. Tenho tambem uma Havenga que o Neco Padaratz deixou para mim, tri-quilha, 6'0" round pin. Tenho uma 6'1" squash shapeada pelo meu amigo Adam Warden. Tenho tambem uma 5'11" wing-butt tail shapeada pelo Masuzzo, e uma fish 5'7" swallow com bastante "v" na rabeta shapeada pelo O'Keefe.
Meu oculos escuro e' desses de $4.99 sem marca, preto, estilo os que o Miki Dora usava nos anos 60. Meu cabelo esta todo revirado porque eu acabei de acordar e minha cara comeca a apresentar os primeiros sinais de velhice. Eu uso tenis Vans (modelo "Classic"), calca preta Levi's que eu comprei no outlet, e uma camiseta "OutraCultura" que eu pintei com minhas proprias maos.
Nao tenho iPhone, nem laptop. Nao tenho twitter, nem Isntagram, muito menos uma filmadora. Eu, tenho, uma maquina fotografica Canon de rolo de filme, e uma lente de 300mm que eu adiquiri a mais de dez anos atras. Tenho duas roupas de borracha BodyGlove, uma 2/3mm e 3/4mm, qual eu comprei baratinha atraves de "connections".
E', eu tenho um blog. Tenho uma namorada que e' uma pessoa muito especial, e um carro (Isuzo Rodeo 2001).
Apesar de tudo isso que eu "tenho", nada me faz um individuo diferente, uma pessoa unica. O que me faz diferente e' o que esta dentro de mim.
Honestamente, meus surfistas favoritos nunca foram Occy e Curren, muito menos Slater. Porem, meu surfista favorito era Rodrigo Viegas, que idolatrava Occy e Curren. As musicas que eu tenho escutado no momento (Olho Seco, Psycoze, Fogo Cruzado), eu tenho que escutar escondido, porque se alguem me pegar, vao chamar um medico-psiquiatra, e me levar "internado". Eu tenho tomado muitos remedios. Meu remedio se chama cerveja e vinho. Alivia as dores (saudade, discriminacao...) Nao faco Jiu-jitsu nem yoga e como o que vier pela frente, principalmente resto do prato dos outros (trabalho em restaurante).
Eu nao tenho cartao de credito nem conta em banco (acredite se quiser), e estou pra perder meu emprego por falta de documentação.
Eu estou realmente fora de moda, porque eu ainda acredito que dinheiro nao compra felicidade. E ao invez de sair pra procurar outro emprego, eu vou surfar.

Monday, March 12, 2012

Trilha sonora da semana

Joe Jackson

Jack Green - Valentina

Jack Green - look at it rain-1983

T.S.O.L. - In The Wind

T.S.O.L.- It's Too Late 1987

Nicky Wood



A historia do surfista australiano Nicky Wood serve de exemplo para qualquer jovem aspirante a seguir a carreira de surfista profissional.
So' se falava nele em meados dos anos 80. Ele era mais cobicado a ser um futuro campeao mundial do que Kelly Slater quando tinha a mesma idade, 15. Com 16 anos de idade em 1997, Nick Wood venceu o prestigiado evento em Bell's Beach, Australia, e se tornou o surfista mais novo a vencer uma etapa do Circuito Profissional de Surf (ASP).
Enigmatico, terminou o ano de 1990 na 12a. posicao do ranking mundial. Garoto prodigio, foi duas vezes campeao autraliano junior e com 15 anos de idade terminou o ranking australiano profissional com a segunda colocacao. Seu estilo era elegante, jogando seu corpo fino e esticado em manobras espetaculares, principalmente batidas de backside, floaters e snaps, sempre impressionando o publico e os juizes. Cresceu 36cm dos 15 aos 17 anos esticando excessivamente os ligamentos dos joelhos. Por causa das dores constantes, em 1988 Nicky surfava apenas em baterias e comecou a beber com frequencia. Infelizmente, a sua decadencia foi mais rapida do que a fama. Apesar de ter vencido 4 eventos da ASP, um deles em Sunset Beach, Hawaii, no comeco dos aos 90 Nicky era visto mais nos bares do que nos mares. Ele foi bi-campeao do Hang Loose Pro no Brasil, em 91 e 92. No mesmo ano (92) ele foi preso por porte de maconha e em 94, nao conseguiu se requalificar para o WCT, dando fim a carreira de um dos melhores surfistas que ja subiu numa prancha de surf.


Nicky Wood hoje em dia...

O Neco (Padaratz) tem uma historia muito boa do Nicky Wood. Era no Hang Loose Pro Contest, no Guaruja' em 1991 ou 92. O locutor do evento chama os atletas para uma das baterias (Neco nao lembra se era a final ou semi-final, ele acha que era contra o Fabinho Gouveia). Praia lotada, o locutor autoriza os atletas a entrarem na agua, seu oponente rema para o outside, e nada do Nicky Wood. O locutor entao o chama inumeras vezes, e nenhum sinal dele. Ja' na metade da bateria, "The Phantom" (como era chamado pelos companheiros de profissao e pela midia, justamente porque chegava pouco antes das suas baterias e depois desaparecia misteriosamente), sai calmamente do Hotel em que estava hospedado no outro lado da rua em frente ao palanque do campeonato, de calca jeans, segurando a roupa de borracha, uma toalha e a prancha, ele caminha sem pressa nenhuma, se enrola na toalha, veste a roupa de borracha e entra na agua no lugar mais dificil para varar a arrebentacao. O mar tinha um bom tamanho e muita correnteza. Ele chega no outside a tempo de pegar duas ou tres ondas, entao destroi com um surf fluido e preciso, muito estilo, e vence a bateria fazendo a crowd na praia vibrar. Ele acabou vencendo o campeonato tambem. No palanque, apos receber o trofeu, ele simplesmente emborca a garrafa de champagne de 2 litros goela abaixo levando o publico ao delirio.


Floaters como esses em 1986 eram como aereos nos dias de hoje...

OBS.: No video abaixo (no post anterior), tem imagens do Nick Wood surfando com 15 anos de idade. Repare na primeira manobra que aparece dele, ate' nos dias de hoje, essa manobra e' atual, mostrando o quanto ele estava a frente daquele tempo.

Ellksy's Bondi

Monday, March 5, 2012

Amem



Uma vez, Yvon Choinard, um cara que surfou a vida inteira, e hoje e' dono da marca Patagonia, disse: "Surf nao tem valor nenhum para a sociedade."
Surf e' uma das atividades mais insignificantes que uma pessoa possa praticar. O ato de surfar uma onda nao produz absolutamente nada para a sociedade.
Porem, independente de qualquer coisa, milhoes de pessoas surfam, todos os dias.
O que sera' que acontece no nosso cerebro, no nosso psico, que nos faz ter que surfar todo o santo dia? O que realmente acontece na nossa cabeca, que tipo de reacao quimica, ou, que tipo de santo baixa em nos quando estamos surfando uma onda?
Segundo estudos realizados por cientistas nas Universidades de San Francisco e San Diego (California), surf tem o poder de curar, ou reduzir, problemas como ansiedade e depressao. Em 1930, Sigmund Freud, o pai da psicanalise, se refere em seu livro "Civilization and Its Discontents" sobre o "sentimento oceanico". Livro que serviu durante decadas para todos e qualquer estudo ligado a psicanalise.
Apesar de sentimentos como euforia, adrenalina, diversao, concentracao, e outros tidos como cliche, "o tempo fica mais devagar", "todos os problemas desaparecem", "estou no paraiso", "uma atividade espiritual", "coneccao com a natureza"...
A verdade e' que surf e' uma forma de meditacao, e que faz o individuo se tornar uma pessoa melhor.
Uma coisa eu posso afirmar. Se nao fosse pelo surf, minha vida seria mediocre.

Monday, February 27, 2012

PigFish


Espiritualmente, um medium. Uma pessoa auto-confiante. Ambicioso, simpatico. As vezes adoravel, as vezes temido. Inflexivel em suas opinioes. Consegue se erguer por suas proprias forcas e meritos. Entusiasmado, generoso, corajoso. Personalidade forte, mas de bom carater, sincero. Vaidoso, extravagante. Exibido. Possessivo. Energia vibrante. Contraste de genialidade com ingenuidade. Freakshow. PSYCHO...
Em 1993, Neco Padaratz voltou da California com o estranho apelido de "Pig Fish". Naquela epoca, durante a transicao fita-cassetes para CD's, Neco gostava de ouvir Rage Against the Machine, Cypress Hill e principalmente Nirvana. Ele tinha um poster do Kurt Cobain na parede do apartamento que ele morava na Carvoeira, bairro Universitario perto do centro de Florianopolis.
Antes e depois de morar na Australia e California, Neco quebrava as ondas da Praia da Joaquina diariamente, com chuva ou com sol, vento sul ou nordeste, grande ou pequeno.
Em 1994, Neco partiu para o Brasileiro Amador, e subsequente Mundial Amador a ser realizado na praia da Barra, Rio de Janeiro. Sagrou-se campeao brasileiro na categoria Junior e fez a final na Open. Classificado para o Mundial em duas categorias, Neco abre mao da Open (porque ele ainda tinha idade de Junior), e acaba com a terceira colocacao na categoria Junior do Mundial Amador (hoje em dia o Pro Junior). Um resultado que seria um sonho para qualquer surfista, para Neco, uma decepcao. Ele ficou muito puto!! Ele era o melhor surfista daquele campeonato disparado, com performances de fazer cair o queixo. Mar grande no meio da Barra, Neco surfando com uma 6'9" shapeada por Avelino Bastos, apontado por todos como a provavel campeao mundial. Infelizmente, no dia da final, o mar ficou pequeno, inconsistente e com vento maral soprando forte, a sorte contou mais do que competencia. Neco finalizou em 3o. lugar. Kalani Robb se sagrou campeao, com Luke Hitchings em segundo e Cory Lopez em quarto.
Em 1995 Neco Padaratz vence o Nescau Surf Energy na Praia da Joaquina, etapa do WQS (como se fosse um Prime nos dias de hoje), em casa, inesquecivel pra mim, e assim comeca sua escalada no ranking rumo ao WCT. (A historia desse campeonato merece um artigo a parte).
Em 1996, apos um excelente resultado no Pro Junior de Bells Beach (Australia), com um corte de cabelo "moicano" de assustar, Neco recebe um convite de Derek Hynd para fazer parte do time da Rip Curl internacional. Neco assinou um contrato "milionario" (ahh se foose hoje em dia, hein Neco!!) e partiu numa expedicao de barco por lugares remotos da Indonesia juntamente com Tom Curren, Chris Davidson, Frankie Oberholzer e Nathan Hedge. Eles descobriram muitas ondas naquela ocasiao. Ondas que nunca tinham sido surfadas, e que nos dias de hoje estao crowdeadas com dezenas de barcos no canal, e centenas de surfistas na luta pela onda da vida.
Em 1997, Neco comeca o ano solido e termina a perna australiana em terceiro lugar no ranking do WQS, um passo muito importante para qualificar para o WCT. Dai entao, numa sessao de fotos, ele tenta um aereo gigante, e quebra o tornozelo.
Ele volta para o Brasil engessado. Fica muito depressivo, andando de muletas. Ele da nome para suas muletas. Uma se chama Dragao, e a outra, Leao. Ele escreve nas paredes do quarto poesias bizarras. Seu apartamento esta todo revirado, suas paredes todas escritas com poesias dramaticas... "Sera' que eu vou ficar bom?"
Depois de quatro meses, Neco Padaratz volta ao circuito mundial. Recuperacao em tempo recorde. Ele se submeteu a uma cirurgia em Porto Alegre, e quando eu pisquei o olho, ele estava surfando como se nada tivesse acontecido.
Nessa altura do campeonato, voltando ao circuito ja' na metade do ano, e' complicado. Neco precisava de 8 excelentes resultados nas 9 ultimas etapas que faltavam pra acabar o ano. Uma conquista impossivel para qualquer ser normal, e pior ainda para quem esta vindo de uma contusao. Mas Neco era simplesmente um fenomeno na epoca!! Se fosse hoje em dia, e todos pudessem assistir online o que Neco fez...
Depois de uma sequencia de excelentes resultados, Neco venceu dois eventos que seriam considerados Prime nos dias de hoje, e se classificou para o WCT, mesmo vindo de uma contusao seria (fratura com dois pinos no tornozelo), e nao podendo comparecer em metade dos eventos durante aquele ano. Impresionante!! Neco Padaratz era o Gabriel Medina daquela epoca. E, naquela epoca era mais dificil, porque o surf brasileiro ainda nao tinha aberto as portas para o mercado como e' hoje em dia. Nao tinha internet, a ASP ainda nao tinha se dado conta de quantas pessoas amam esse esporte no Brasil.
Durante a contusao, Neco passou por um periodo muito conturbado a respeito dos patrocinadores. Atraso nos salarios, e provavel demissao. Um momento bem complicado na carreira de um surfista profissional desse nivel. Porem, o talento falou mais alto que o dinheiro.
Em 1998, fazendo parte da elite do surf mundial, Neco Padaratz termina o seu primeiro ano no WCT com a decima-terceira posicao. So' nao foi eleito "Rookie of the Year" porque Mick Campbell terminou aquele ano em decimo-primeiro.
No ano seguinte, Neco abandona o circuito alegando problemas particulares, mesmo estando em 6o. lugar do ranking WCT, caminhando para um possivel titulo mundial. Considerado pela revista SURFER, biblia do surf, como uma das maiores desistencias da historia do surf.
Na metade de 1999, Neco decide voltar a competir. E vence, como "wildcard" a etapa do WCT em Hugtinton Beach (hoje o US Open). Eu imagino se fosse hoje em dia, com transmissao ao vivo pela internet...
Alem de vencer o circuito WQS duas vezes seguidas, em 2002 e 2003, e duas vitorias em eventos do WCT (um deles na Franca desbancando Andy Irons na final), eu acho que Neco Padaratz e' o unico surfista da historia a se classificar quatro vezes para o WCT. Tres atraves de resultados no WQS e uma como wildcard por contusao (hernia de disco). Fato historico. Principalmente numa epoca que surf nao tinha tanta infra-estrutura. Teve muitos surfistas que abandonaram a carreira no segundo ano correndo o circuito WQS. Outros, que tentaram durante dez anos e nunca conseguiram a classificacao. O WQS era um circuito que matava os sonhos de qualquer surfista de ser pro.
Voltando ao futuro, 2010, eu entro no apartamento de Neco Padaratz na California, onde ele estava vivendo (com a esposa Ana e filho Zion), principalmente para manter um treinamento intensivo com o preparador fisico Alvaro Romano, e surfar os mais variados estilos de surf que a costa californiana porporciona, me deparo com um cidadao com o cabelo duro arrepiado, olhos de quem nao dormiu a noite anterior, arrancando os adesivos da prancha. Da noite pro dia, um dos maiores idolos do surf brasileiro acorda desempregado. Jogado as tracas. Um cara que deu a vida, corpo, alma e sangue, carregando a bandeira verde-amarela-azul-e-branca nas costas, jogado no lixo, como uma roupa velha. Se hoje existem Medinas, Alejos, Jadsons, Mineirinhos, Raonis, e Heitores, e' porque um dia, Dadas, Fabinhos, Tecos, Petersons, Herdys, Vitinhos e Necos, tocaram pedras nos palanques, socaram paredes e pranchas, gesticularam, intimaram nos bastidores, ou simplesmente surfaram duas vezes mais que seus oponentes pra vencer baterias e campeonatos..
Saudade de ver o Neco no circuito arrepiando as ondas e qualquer surfista que cair com ele numa bateria. Saudade de ver ele reclamando com os juizes, tentando fazer com que o surf brasileiro fosse reconhecido.
Nao interessa onde, como, ou porque. "Da primeira manobra no outside, ate' a ultima manobra na areia, ninguem surfa com mais paixao do que Neco Padaratz." diz a namorada de Dane Reynolds numa revista americana.

Thursday, February 23, 2012

neco padaratz blogspot: saquarema session

neco padaratz blogspot: saquarema session: Sessão de freesurf em Saquarema, sozinho na água e meu brother Pietro registrou tudo.

Wednesday, February 15, 2012

neco padaratz blogspot: Blog no ar

neco padaratz blogspot: Blog no ar: Bom dia com muita alegria, galera! Esse é o meu blog, agora vocês vão poder acompranhar um pouco mais o meu trabalho e estilo de vida. Vou ...

Monday, February 6, 2012

neco padaratz blogspot: perfil

neco padaratz blogspot: perfil: Nome Percy Padaratz Junior Apelido Neco Idade 35 anos Data de nascimento 11/08/76 Local de nascimento Blumenau, Santa Catarina Sha...

Thursday, February 2, 2012

Vida simples



Essa minha "surf-trip" que ja' dura mais de 15 anos. Pouco dinheiro, muita diversao. Muitos lugares, muito surf, muito vinho, muitas pessoas interessantes. Muito trabalho nas costas tambem. Varios contrastes. Qualquer sacrificio para estar perto do oceano, das ondas boas. No caminho, muitas pranchas, muitos carros, muitas praias, bares, arte, musica, shows, e mais pessoas interessantes. Muito estilo e loucura. Muito aprendizado. Muitas amizades. Poucos amigos de verdade. Bons livros, bons filmes. Tres linguas fluentes e cabeca-aberta.
Eu ganhei uma promocao no meu trabalho, que me impede de surfar todos os dias. Me sinto miseravel. Ja' perdi varios swells.. A porra do dinheiro e o tal do status, que fazem eu ficar mau-humorado.
Um dia de surf que me faz tao feliz. Me faz sentir independente e confiante. Um sorriso sincero estampado no rosto. Determinacao para continuar vivendo esse estilo de vida. Eu recebi um cartao da minha tia que diz: "Admiro a tua coragem!".